Hélice Tríplice: Inovação em Movimento

Universidade, Indústria e Governo

De 23 a 25 de novembro foi realizado o 2º Congresso Internacional de Inovação. O evento aconteceu na Fiergs, em Porto Alegre, e contou com a presença de grandes nomes de órgãos públicos, universidades e empresas privadas.

Talvez a palestra mais aguardada tenha sido a do sociólogo Dr. Henry Etzkowitz, autor do livro “Hélice Tríplice: Universidade-Indústria-Governo, Inovação Em Movimento“. Henry destacou a importância e os papéis da indústria, universidades e governo em prol da inovação.

Triple Helix

Henry é um estudioso da ciência empreendedora, e defende que a inovação deve ser impulsionada através da cooperação entre Universidades, Empresas e Governos. Se está certo ou errado não sei, mas o modelo apresentado por ele pareceu bem funcional.

De maneira resumida, o papel de cada entidade é:

Universidade: criar conhecimento através de pesquisas científicas.
Empresa: usar conhecimento gerado pela universidade e criar produtos.
Governo: abrir caminho à inovação com incentivos fiscais e financiamentos de pesquisas.

E os empreendedores têm um papel importantíssimo neste cenário. São eles que irão criar produtos e serviços que serão consumidos pelo mercado. Esse é o papel do empreendedor, utilizar o conhecimento gerado de estudos e pesquisas para projetar produtos para a sociedade.

O problema é que nem sempre esse conhecimento, necessário para criar novos produtos, é gerado na velocidade que o mercado exige. Então as empresas é quem precisam investir em linhas de pesquisa para conseguir os resultados necessários das pesquisas antes de produzir.

Mas para as pequenas empresas, investir do seu próprio bolso para o desenvolvimento de um produto ou serviço inovador é algo muito caro. E é aí que entram os investimentos do governo e de empresas de investimento.

Só no Rio Grande do Sul, em 2009 foram R$ 10 milhões destinados à investimentos em projetos de empresas privadas (startups ou não) para a criação de produtos inovadores. Em 2010 serão R$ 25 milhões.

SOBRAM recursos e FALTAM bons projetos!!

Durante todo o congresso, foi repetido várias vezes, por diferentes entidades: Sobram recursos para projetos inovadores e faltam empreendedores para criar bons produtos e serviços inovadores.

Países com economia forte tem uma característica em comum: exportam mais do que importam. O Governo investe em projetos que reduzirão as importações ou aumentarão as exportações. O BNDES e o FINEP “dão dinheiro” para empreendedores inovadores.

Muitas linhas de investimento são não-reembolsáveis, ou seja, você não precisa devolver, não é um empréstimo. É um investimento sem comprometer nem mesmo 1% da participação na empresa (como normalmente acontece com investimentos privados).

Sem falar do programa Juro Zero, um programa do Finep que realiza empréstimos com pagamento em 100 vezes, com 0% de juros!

E tem também o Cartão BNDES, um cartão de crédito com limites de até R$ 500 mil por cartão (uma empresa pode ter um cartão para cada banco e somar os limites) com juros de menos de 1% para micro, pequenas e médias empresas. Além, é claro, da possibilidade de parcelamento de até 48 vezes. É praticamente um item obrigatório para as pequenas empresas.

SOBRAM recursos e FALTAM bons projetos!!

Os recursos financeiros estão no mercado, é só ir atrás deles. De preferência com bons projetos (e planos de negócio bem escritos).

Empreendedores, aproveitem! Usem esses recursos que estão sobrando no mercado! A Tríplice Hélice ainda não gira como deveria. As Universidades ainda não produzem conhecimento suficiente, e o Governo ainda precisa investir nas empresas privadas.

“Tríplice Hélice” de presente de Natal para você!

E para fechar com chave de ouro, vou sortear um exemplar do livro “Tríplice Hélice: Universidade-Indústria-Governo, Inovação em Movimento” para todas as pessoas que comentarem neste artigo. O sorteio será realizado no dia 4 de dezembro de 2009 (próxima sexta-feira) e o ganhador será divulgado nesta página. Por favor, não coloquem dados pessoais nos comentários, simplesmente preencham seus emails corretamente. Entrarei em contato via email com o ganhador para enviar o livro.

Créditos da imagem: marooned

Comments

  1. says

    Excelente ponto de vista, Matheus. Antes de nós empreendedores reclamarmos por falta de incentivo, devemos conhecer bem o que nos é oferecido pelo Governo. Como você citou existem ótimas oportunidades a disposicão, falta apenas aproveitarmos.

    Parabéns pelo post.

  2. says

    Matheus, os recursos realmente são o calcanhar de Aquiles em todas as organização, pois empresas pequenas muitas fecham por falta do mesmo. Esbarramos geralmente na burocracia posta pelo governo para receber estas verbas participei este ano de uma projeto destes em 2009 e tinha um projeto bem legal, mas quando partimos para a parte final, os prazos para entregar papeis que pediam eram muito menos que o governo poderia entregar, mas valeu a experiência, ano que vem vou novamente mas com todos os papeis que são necessários para o mesmo já em mãos, para não bater num porta e escutar que demoram 45 dias para entregar o comprovante “X” e o prazo de entrega é de 15 dias.
    Mas realmente percebi que os projetos são copias de copias de modelos de fora, que muitos deixam a desejar em fazer realmente coisas inovadoras por uma simples questão de acomodação, não querem tirar a bunda da cadeira do escritório para poder fazer algo a mais.

    Cabe a nós levantarmos questões sobre este aspecto para sacudir as bases, caso contrário, estaremos fados a sempre ter as mesmas coisas no nosso mercado.

  3. Marcelo Henrique says

    Como sempre, mais uma ótima matéria. Muito interessante esta tese, que comprova ser real. Diversas pessoas com idéias geniais precisam saber sobre estes investimentos incentivados pelo governo pois muitas idéias são “engavetadas” por falta de recursos. Claro que ainda falta muito “vento” para que estas hélices girem com toda sua capacidade, mas mesmo assim estão girando.

    Muito obrigado por compartilhar o conhecimento e pelo ótimo Post.
    Parabéns

  4. says

    Olá Mateus… realmente dinheiro existe.
    Como bacharel em Administração que sou, e por acaso trabalho em instituição financeira, acredito que uma das grandes falhas dos cursos de Administração (estudei na PUC, UCS e Univates) é não disseminar a maneira da empresa ter acesso às linhas de crédito, e tampouco falar sobre esse quesito importante, que acaba ocasionando, é claro, a falta de investimento em inovação tecnológica.
    Nossas instituições de ensino acabam por ensinar toda parte teórica e evitam falar sobre linhas de crédito, sobre instituições financeiras, sobre desconto de duplicatas, e – pasme – em Lajeado inexiste cadeira de sucessão familiar, isto em uma região onde algo próximo aos 80% (se não mais) das empresas são familiares.
    Sucesso!
    Ranzi

  5. says

    No tempo que ficava mais em cima dos editais de financiamento a FUNDO PERDIDO (quando trbalhava com o NBR) era sempre a mesma história: poucos projetos e alguns não preenchiam os requisistos básicos. Mas em outras vezes os critérios de avaliação ficavam meio obscuros e os empresários não tinham como revindicar informações.
    Abraços

  6. Sérgio says

    Olá Mateus,

    Realmente, o problema está também nas empresas que não sabem ou não se interessam em buscar o conhecimento. Quantos estudos de casos e informações há nas bibliotecas universitárias que poderiam ser lidas e aprendidas pelos empresários mas não são. A Universidade está lá, gerando conhecimento mas o empresário não sabe aproveitar.

    Abraço

  7. Matheus Zeuch says

    E o sorteado é CARLOS FEOLI !! Parabéns Carlos. Vou te mandar um email pedindo o endereço pra onde mandar o livro.

    O processo de sorteio foi simples, usei o Random.org e sorteei um número de 1 à 7, referente aos comentários. O número sorteado foi 6.

    Valeu pela participação. Quando tiver disponível mais livros de interesse dos leitores vou sortear novamente.

    Abraço e sucesso galera!
    Matheus Zeuch

  8. says

    Matheus, acabo de receber o livro. Muito obrigado!!
    Vamos dar um jeito de rodar esse livro (e a informação).
    Assim que acabar de ler pensamos como fazer isso (vai demorar um pouco, é o 2º da fila).

    Abraços
    Carlos Feoli

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>